segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Passagem de ano novo

Quero uma passagem de ano novo
pra um outro planeta.
Quero uma passagem de ano novo
pra viajar na cauda de um cometa.

Quero passar, mas não tenho pressa.
Quero uma passagem pra te ver
Quero uma passagem pra me encontrar.

Quero passagem pra fazer a dor passar.





terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Ano que vem

um feliz ano novo
pra quem eu ainda não conheço
e que seja muito feliz
quem vai me encontrar no próximo ano

daqui há um ano
virei nessa mesma praça
encher meu peito de ar
e dizer pra você como foi bom!

e nós vamos nos olhar nos olhos
sair por aí pedalando
e sorrindo pra tudo

porque então
você será meu amigo há um ano
como agora são os que conheci no ano passado
os que conheci nos anos passados
pra quem eu prometi voltar aqui

aqui estou, amigos
vamos encher o peito de ar
vamos renovar nossos laços
e sair por aí pelas nuvens
pedalando
ou você vai de balão?

esse pode não ter sido o melhor ano de todos
mas se eu fui feliz, é porque tive você
e agora você sabe que me teve também!

vamos voltar aqui no ano que vem!






Natal

já estou há tempo demais nesse planeta
como é que pude constatar isso?
tantos natais
tantos carnavais

tudo pesa, porque tem muito de tudo
as gentes; os abraços; os beijos; os anos; os planos;
as estradas; os amores; os sorrisos; as saudades

mas não me cansa
ainda é tempo de vestir a esperança
e as pernas

pra quem quer correr demais nesse planeta
em uma dança - uma andança - humana dança
ainda é tempo de estar com os velhos amigos
ainda é tempo de visitar a Islândia
de onde pretendo ser levada

e se não for
amanhã chove
faz Sol, neva
faz-me rir!
vão me chorar
amanhã é tudo outra vez!

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Nuvens


você é a mão?
sei não,
mas se tivesse que escolher alguém nesse desenho
pra ser você
escolheria as nuvens.

As nuvens são brancas
tal como a sua cor na maior parte do tempo
mas se ele mudar, virar
as nuvens se tornam de cinza escuro ao negro
que é como você fica depois de um dia de Sol.

e quando o Sol faz do dia amarelo,
as nuvens resolveram dissipar.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

o dia em que meu coração voltou em uma embarcação



meu coração é meu de novo
partiu em uma embarcação
e voltou em outra
com as ondas do mar
como as ondas do mar

poderia dá-lo a quem quisesse,
mas nunca mais o deixarei, coração
seremos apenas eu e você
isso lhe prometo

e se algum dia quiseres me deixar
irei contigo
com as ondas do mar
devorando tudo que há nesse mundo
como as ondas do mar






sábado, 12 de outubro de 2013

The girl in the funny hat in a sunny day

the girl with a hat in the beach
made no rumor
no crying
no breaking down speech

a girl in her sunny day
was thinking about the weather
a funny girl
resembles the sun in her funny hat in leather

I'm almost sure you can't see her
cause she's a blur
she's a mess

that girl was me
but for some reason I forgot her song
there's still time to go there
and get yourself going with the tide
just where you belong







quarta-feira, 9 de outubro de 2013

cento e cinquenta dias


ontem
fim da tarde
vão do Masp
encontrei Olívio, o poeta

ali, como quem não quer nada
como se não fosse, queria um troco
em troca de versos impressos em um livreto

eu gosto de rimas, Olívio
mas pra onde me levariam suas palavras?
cerrado o seu livro está para mim
não tenho como trocá-lo ou tocá-lo
consubstanciá-lo naquilo que precisa
estender e entender sua existência

no vão do Masp
vi ali Olívio
que ninguém mais via
e que só se ouvia
fazendo público apelo
despido de pudor
o escambo: dinheiro por versos

quem, Olívio
no fim do dia
- cansado, torto, cheio de súplica e sem razão -
quer comprar poesia?

Olívio,
fico imaginando como - tanto sentimento que temos -
se vive de olhares
que só se trocam por outros

quem vive deles, Olívio?
convive com eles
quem se alimenta deles
no vão do Masp, às terças
ou na Liberdade, aos domingos
quem come aquilo que sente?

obrigada por me olhar
obrigada por me tocar
por não querer me vender
por não querer se vender

naqueles instantes vivi eu
redescobrindo, aquém desse desânimo que me consome
o que tem dentro de nós
e o que tem, afinal
não importa
mas sim, quando se reconhece

temendo o fim da eternidade do momento
fugi em pensamentos
e com as pernas em meus próximos passos
sorri para quem quer que me cruzasse o caminho
nas calçadas atravessadas
busquei olhares naqueles transeuntes

quem são eles, Olívio?
você que tenta desmistificá-los
gente cheia de prosa
onde estavam quando estivemos chorando suas lágrimas?
desprezam-nos em nossas profundezas
em outro museu com seu vão

com o mundo dentro do peito
eu estava pronta pra me reerguer
obrigada, Olívio
depois de cento e cinquenta dias no inferno da transparência
finalmente vi alguém

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Bikes to Riccardo| Bici a Riccardo | Bicicletas para Riccardo

I was remembering,
one of these days, 
my bike rides around the canal
the beautiful sunsets
the colours
the weather
the ducks which Kong Yan wanted to hunt
and then I laugh out loud

many times I cried alone
watching the sunsets in my temporary bike.
I hope life brings me new bikes.

I hope life brings you "bikes" as well.




io ho ricordato,

uno di questi giorni,
in bicicletta intorno al canale:
i bellissimi tramonti;
i colori;
il tempo;
le anatre che Kong Yan voleva cacciare
e poi io ho riso ad alta voce

molte volte ho pianto da sola

guardando i tramonti della mia bici
spero che la vita mi porti nuove bici!

spero che la vita porti "bici" anche a te!



eu estava me lembrando

um dia desses
dos meus passeios de bicicleta em torno do canal:
o belo pôr-do-sol;
as cores;
o tempo;
os patos que Kong Yan queria caçar
e então ri bem alto

muitas vezes chorei sozinha

observando o pôr-do-sol da minha bicicleta temporária
espero que a vida me traga novas bicicletas!

Espero que a vida te dê "bicicletas" também!












terça-feira, 24 de setembro de 2013

Butterlies

I simply let them all
make fun with my face
I let them all
to give-me nothing more than a lie

I let them do it
because I feel terribly lonely in the midst of my feelings

their lies
more a company to me
than the taste of my own skin

I acccept it
to escape my own stories
and stuck in the joy of others' crazy imagination

I let them do it
because I feel
sometimes I need to accept what they have to give:
words slipping from their tongues
going straight into my ears
swimming pools into my mind

their lies
more a company to me
than the taste of their skin
and in the Local Group of galaxies
everything






domingo, 15 de setembro de 2013

O ex-garoto-da-cabeça-separada-do-corpo

Havia um grupo de garotos brincando por ali. Quando nos aproximamos, com nosso grupo, percebemos que estavam no meio da rua. Participávamos todos de uma grande gincana. O nosso grupo era diferente do daqueles meninos que ali brincavam.
Súbito um carro - ou alguma coisa mais estranha que isso - atropelou os meninos. Nenhum deles morreu, mas seus corpos ficaram separados em pedaços espalhados pelo chão. Não havia sangue. Não havia desespero. Não se ouviram gritos. Mas ainda assim, era um grande problema ter partes de corpos espalhadas por aí. O nosso grupo se colocou a ajudar os rapazes. Abandonamos também a competição naquele momento.

Um dos garotos tinha ficado com a cabeça totalmente separada do corpo.  Eu não tinha dado conta do paradeiro do corpo e fui logo me aproximando da cabeça, que tinha sido arremessada pra bem longe. Fui me encontrar com ela, a cabeça do garoto. Tomei-a em minhas mãos. Segurei seu leve peso não sabendo muito bem como fazer aquilo. Era estranho. Não sabia se ele sentia dor. Não dava pra ver suas estranhas.

Olhei firme nos olhos dele, embora não me lembre muito bem se ele chegou a abri-los. Notei que era um garoto muito bonito. Uma beleza que ia muito além da beleza física. Os cabelos eram lisos e pretos com uma franja que lhe caía nos olhos. O rosto bastante branco. Não posso dizer se era alto, nem mesmo magro.

Sem saber o que estava fazendo, comecei a acariciar o cabelo dele. Cheirar o rosto, as bochechas e as proximidades da boca. Eu gostei muito do cheiro dele e de como ele ficava preso entre a fina penugem que cobria sua pele. É uma coisa incrível essa de cheirar as pessoas. Ao longo do cheiro você descobre as texturas e como elas podem se combinar e variar pra produzir os cheiros que guardamos em nosso corpo. Eu gostei tanto do cheiro daquele rosto que quando me lembro disso, ironicamente, fico sem ar. Mas naquele momento eu buscava o cheiro dele, como se buscasse o próprio ar. Como eu ia respirando ele, sentia que os meus pulmões se enchiam, mas não era só de ar, ou de cheiro.  Eram sentimentos pesados, que eu poderia descrever a sensação do passar pela laringe, pelo esôfago, pelo estômago e irem se instalar em todos os cantos ali dentro de mim, que ainda tinha um corpo pra sentir tanta coisa.

Como me senti à vontade e com vontade de fazê-lo, fui beijando seu rosto todo, as bochechas, os lábios. Devagar. Rápido. Percebi que era quente a sua boca e também dentro dele. Embora dentro dele fosse só uma cabeça, sem motivo pra ser quente. Era tão bom, que eu queria ter uma caixa pra guardar aquela sensação. À medida que nos beijávamos, sorriamos. Senti que o amava cada vez mais, e e era um amor muito grande, desses que eu só senti em sonhos.

Abracei aquela cabeça, como se nunca tivesse abraçado ninguém ou nada antes na vida. Com um tamanho desespero, uma urgência. Uma vontade de fazer a cabeça se fundir com o meu ser, com o meu próprio corpo. Abracei a cabeça como se estivesse abraçando seu corpo inteiro. Abracei a cabeça como se tivesse a necessidade de possuir a sua existência, como se ela fosse eu. A sensação mais mágica de todas é que me senti abraçada de corpo inteiro também. Inerte na felicidade daquele momento de troca. Feliz com o amor que eu, finalmente, podia dar pra alguém. Sem medos, sem jogos, sem pensar. Embora o amor com a cabeça parece direcionar-nos exatamente na direção contrária aos sentimentos.

Comecei a me perguntar como ele se sentia com aquela situação. Eu ali agarrando a cabeça dele, no meio de um acidente. Ele ali sem corpo. O que ele sentia? Poderia sentir? Ele não podia se mover. Não tinha escolha. Mas correspondeu aos meus cheiros, meus beijos, meus abraços, meus sorrisos. Estava sereno. Os olhos fechados e sem palavras. Era uma confiança mútua. Eu abraçava a cabeça e pensava bem forte: "você vai ficar bem!". Eu fiz amor com uma cabeça no meio de um cenário trágico. Um cenário que para a própria cabeça seria desesperador.

Não lembro exatamente da sequência de fatos que se desenrolou desde então. Mas sei que nos separamos por um tempo. Ele foi para algum lugar onde poderiam usar um pouco de magia para remendar seus pedaços. Os dois pedaços que tinham sido feitos dele. Muito tempo foi se passando e eu não tive mais notícias.

Num desses dias, eu me encontrei com um rapaz que tem as mesmas características físicas do garoto sem corpo. Não me lembro como, nem porque. Simplesmente aconteceu, no meio da rua, próximo ao local do acidente. Além da semelhança física ele demonstrou me conhecer. No começo eu achei que era o garoto sem corpo, mas não era não. Era apenas uma sombra. Ele falava demais e eu não confiava no que saia de sua boca. Não havia entre nós nenhuma ligação parecida com aquela que fica entre duas pessoas que tenham feito amor.

Começamos a nos beijar. Eu e aquele andróide esquisito. Eu achei que não fosse ter nenhum problema. Achei que o garoto sem corpo não voltaria mais e que era hora de tocar a minha vida adiante. Eu já tinha tentando esquecer o garoto sem corpo, mas eu não queria. É difícil abandonar, se desapegar de um sentimento como aquele. É uma pena ter que abrir de algo tão raro.

O garoto do corpo separado apareceu naquele dia. Ele estava fisicamente bem. Tinha novamente o corpo colado à cabeça. Ele ficou surpreso e pareceu muito triste ao ver que eu estava com a sua sombra. Meu coração partiu. A sensação era péssima. Eu nunca tinha feito aquilo e me senti muito mal por ter "enganado" o ex-garoto-da-cabeça-separada-do-corpo. Eu me senti devastada pela tristeza que vi se manifestando com a presença dele. Nós nos separamos. Foi muito duro viver sabendo que havia aquela distância enorme entre nós. Uma distância que eu não poderia percorrer.

Lembrei que eu tinha uma espécie de encantamento pra usar. Não sei como eu tinha conseguido aquilo, eram uma coisa difícil de achar ou de fazer hoje em dia, e eu só tinha um. Era um encantamento do esquecimento. Decidi usá-lo para fazer o ex-garoto-da-cabeça-separada-do-corpo esquecer a cena
que tinha visto naquele dia em que eu estava com a sua sombra.

Eu queria muito que ele não ficasse triste. Eu queria muito ficar com ele. Eu queria muito que ele não tivesse ficado triste por minha causa. Isso só seria possível se ele esquecesse o que tinha visto. Quando usei o encantamento, ele se esqueceu. Não estava mais triste. Mas mesmo estando perto de mim, nós não estávamos mais juntos. Eu não usei o encantamento em mim. Ainda me lembrava de tudo. Sabia o que tinha feito. Não havia mais sintonia em nosso pensamento.

Apareceu alguém no meio do meu sofrimento e me disse que a única maneira de eu me livrar daquilo
era contando a verdade ao ex-garoto-da-cabeça-separada-do-corpo. Foi então o que fiz imediatamente. Não me lembro de sua reação. Não me lembro do que aconteceu. Depois acordei. Separada mais uma vez do ex-garoto-da-cabeça-separada-do-corpo. Vários mundos distante.

Onde acordei não existem encantamentos, como tenho percebido duramente. Tudo que eu queria era me fazer esquecer que se pode ser tão feliz.







sexta-feira, 13 de setembro de 2013

sobre textos e poemas

eu tenho medo de escrever textos grandes. acho que entendo o por quê. é que quando eu começo a escrever me vem uma vontade de reportar cada mínimo detalhe que se passa na minha cabeça. não é uma obsessão pela descrição das coisas que eu vejo, mas uma vontade que começa pequena, mas que vai se tornando uma obsessão ao longo das linhas, de reportar tudo que sinto.
à medida que escrevo, parece que aquele tanto que eu penso vai ficando cada vez mais entediante. parece, a certo ponto, que tudo me escapa, porque a mão não é tão rápida quanto a cabeça, nem a memória tão boa quanto eu desejaria. essas quebras de simetria me deixam tremendamente frustrada e pra evitar uma sucessão de frustrações eu fujo de escrever.
não fui feita pra escrever grandes textos, nem mesmo contos. eu tenho ideias, e eu acho que elas são boas. eu me divirto com elas e, mais que isso, me divirto imaginando o texto, não as palavras em si, embora na maioria das vezes eu realmente imagine as palavras antes das tentativas de papel. mas parece que quando eu começo a escrever já estou cansada daquela ideia. ela parece velha, ficou sem graça. daí eu fujo. eu finjo.
eu fui feita para os textos menores. deve ser por isso que me dou tão bem com a poesia, ou com todo o texto que se passe por poema. aquele sentimento de frustração aqui eu desconheço. talvez seja melhor deixar indicado, subentendido, do que tentar descrever minuciosamente o que se sente, o que vem no fluxo dos pensamentos, e sentir a derrota. a proposta do poema é realmente essa: deixar tudo indicado.nada é certo. a contribuição do leitor é sempre importante, mas me parece que na poesia é ainda mais crucial do que em qualquer outro tipo de texto. a poesia é mais vaga, mais incompleta e ela é tão dependente de sentimentos aflorados, escondidos, que eu não sei em que medida as interpretações dos leitores se aproximam dos sentimentos escritos. daí eu me sinto protegida pela poesia. como se ela não revelasse a minha alma. mas ainda assim é muito bom quando alguém percebe alguma coisa ali escondida. aflora aquele sentimento único de compartilhar algo significativo com alguém.
poemas. poemas são curtos. não dá tempo de eu me cansar deles.

orgia

bruno me levou para uma orgia essa noite
tinha muita gente
mas eu só a avistei
e comecei a ter com ela

desde o começo, uma orgia
que eu nunca quis
todas essas pessoas com olhares sensuais
e eu, flertando com a preguiça

no meio do caminho, uma orgia
que eu precisava
e todas essas pessoas gemendo
e eu, comendo calada a preguiça

e bruno?
esbaldava-se.
eu lá jogada num sofá
com tanta preguiça!

demos uns pegas
devagarinho

e dancei também com elas
fizemos de tudo um pouco
a dois, a três
as preguiças e eu

não sou mais a mesma
depois dessa atropelança cansada

não pense que terminei a noite sozinha
que sorte!
saí ainda na companhia dela
fugimos juntas para o meu loft

uma orgia!
obrigada.
nunca cheguei a acreditar que eu seria capaz.

depois de todos, no final
a quem devo agradecer?







quinta-feira, 12 de setembro de 2013

...

não vou abandonar o que não faz sentido
não estou louca
mas eu queria estar

tudo que possuo
torna-se amarra

dizer olá a tanta gente
deixar de pensá-las
pois possuo as palavras
apenas enquanto não me escapam da boca

há coisa por aí que não se diz
e que poderia salvar o mundo
ele mesmo uma transmutação de paisagem
em pensamento, sentido e,
por fim, em palavra

era o céu
meu desejo
era o mar
minhas lágrimas
hoje é o deserto
meu coração

sem beirar a loucura ainda
abandonei muita coisa
mas não o sorriso,
esse me tem roubado






vindur í hárinu















era o vento
era ela

o sol se punha
e o mar se revoltava com sua partida

era o vento
e tudo que pude avistar
com aquela voação
dos seus cabelos
delineando o contorno dos montes

eram fios grossos e negros
que caíam formando as montanhas
como um ninho
feito pra guardar o Sol naquele se-pôr

Rugas

eu acho as rugas bonitas
elas acrescentam algo metafísico misterioso
à nossa personalidade

as rugas que me vão aparecendo
são marcas
de não-desistência

as rugas são cicatrizes heróicas,
ilustrações do tempo
pra mostrar que persistimos vivendo

e eu gosto delas!

sábado, 7 de setembro de 2013

sabotagem

descobrir que um outro te ama
não faz eu deixar de senti-lo
em meus braços seus abraços
e seu cheiro em mim
onde não sei mais
seus cabelos caem pelas costas
e cobrem meu rosto

descobrir que seus beijos são de outro
não me faz deixar de desejá-los
de chorá-los
no chuveiro
no escuro da minha cama
no vazio













não sei mais viver
é assombroso continuar
fala comigo
olha nos meus olhos
é o único meio de saber se tem alguém aí dentro
e aqui também.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

seus

o mar é o céu
o céu é o mar

o mar e o céu
o céu e o mar

o mar é o céu
o mar é seu
é seu o mar

é seu o céu
o céu amar

o már é céus

amar, o mar
omaromaromaromaromaromaromar

flies

time flies
flies fly

time ties
times tie
time's tie

fly, flies!
time lies

flies tie
fly ties
flies's tie

flies
times
thousands
eu prefiro o sonho
por que sei que no sonho tudo se sente
por isso, tudo existe lá

a vida
é um grande truque do pensar

o pensar nos afasta da essência
do que sentimos
por pensar, negamos aquilo que há de mais primitivo em nós
talvez a própria atitude de viver

invasão


por que tanta pressa pra tudo
dói-me o corpo
das lembrantes aventuranças da noite passada

não se apresse pra lavar essa louça
como se fosse me fazer salvar o mundo
é real demais
a louça, a comida
as sobras
não deixe a vida invadir o sonho

temos que mantê-lo a salvo
dessa doença da racionalidade
que é uma desculpa cínica da falta de intencionalidade
que há em nossos corações

como posso preferir viver?

eu nunca quis essas coisas
que engolimos
pra serem aceitas
como se assim se incorporassem ao nosso céu

estava ocupada demais
morrendo em tempestades
enfrentando a fúria de tsunamis duplos
manipulando com as mãos
a matéria fluida dos acontecimentos oníricos

enquanto me diziam que a loucura beirava à minha margem
eu estive por aí com você
onde o sonho invadiu a vida

como então posso preferir uma
em que você não está

tudo é verdade
e eu sei que aconteceu
pois existiu tudo dentro de mim
e não há diferença entre a lembrança e o que há

a existência é uma propriedade
das coisas sentidas

como poderia escolher a vida
onde disseram-me que tudo existe,
mas não necessariamente se sente

prefiro a existência
por que nela me encontro e me acho
descobrindo que nada é necessário
nem tempo, nem espaço
nem matéria

apenas do que sinto, preciso
não há distinção sobre o que sonho e o que vivo
era já tarde pra mim
pois estive ocupada demais morrendo
mas como pude, preferi viver


domingo, 25 de agosto de 2013

E tudo que é vivo
tem olhos por aí
e vive

E tudo que é vivo
anda, nada, voa ou se aquieta
se reconhece e se inquieta

Nada há de acontecer
fora desse ciclo repentino

Tudo há que percorrer o dentro d'alma
e suceder a plenitude do amor

sentimento que há de perdurar
atingir o âmago do mundo
de onde tudo se ilumina

onde tudo que é vivo vive
e se reconhece

sábado, 17 de agosto de 2013

detetive

eu era tão feliz
eu era risada

e assim sendo
eu era

hoje, definho
alguma coisa sugou meu sorriso
e alguém levou-me o coração

contrato um detetive?






quinta-feira, 15 de agosto de 2013

O que é que eu vou fazer?
o que é
eu vou
fazer

vou fazer
o que é?
é eu

vou ?
é o que fazer

eu?
é o que

sábado, 3 de agosto de 2013

salvatagem

sei tudo que no mundo sentido nenhum faz
mas não sei o que faz sentido mais

sei o que não quero
e não quero o que sei
mas não sei o que quero

jogar uma bomba no mundo
não resolve as coisas
o que resolve
jogar uma bomba em mim

cansei
outra vez

tantos escravos fazendo roupas nos porões
vocês, que tantas coisas tem
não tem vergonha?
não tem decência

mentem
seduzem
se escondem

tenho preguiça
e nojo
das pessoas fazendo caretas sensuais
querendo que eu as compre
querendo que eu as seja

voltarei pro meu mundo de mentira
outra vez

alguém me salve
me tire daqui

vamos fazer nesse mundo algo de selvagem
vamos desconstruir tudo
vamos fazer uma trairagem
uma sabotagem dos meus heróis
uma salvatagem






quarta-feira, 24 de julho de 2013

peixe

eu sou um peixe
mas não vivo em aquário

o que me sobrou foi um balão
com um pouco de água e ar
e uma cordinha solta que desafia a gravidade da situação

já me espalhei por aí
em todo lugar
em outros balões
em um saco plástico
mas hoje é esse o meu mundo sintético claustrofóbico

não tem espaço
onde bater barbatanas
tampouco pra nadar

então eu nada

mas os aquários também são assim
com a desvantagem de serem de vidro
já meu balão é inflável
e através dele vejo um mundo colorido
não que isso faça da situação contornável

quero sair daqui

já estive com outros peixes
e sei como é
hoje esse é meu mundo sustentável solitário

os outros peixes riem-se de mim
dizem que sou louco
que não vejo o mundo como ele é
que tudo na minha cabeça não passa de uma grande enganação

esses peixes riem-se de mim em seus aquários de última geração
riem-se porque acham que um aquário é tudo na vida
riem-se porque acreditam ter a verdade em suas pequenas memórias-de-peixe

e que me importam vocês, peixes?

o que eu quero mesmo saber
é se existem peixes além dessa vida de aquário que vocês levam

será que ocupam outros peixes, os vales aquíferos desses mundos?
sei que fora d'água 
não vivem peixes

água salgada 
sei que tem
mas seria ela habitada?

o meu mundo instável cor vermelho-chamas
está prestes a explodir
sem água no ar, eu me afogo

no dia em que se for pelos ares
eu me vou também
sem ele



Intempestades

intempéries e tempestades intempestivas
temperam uma vida impetuosa



segunda-feira, 22 de julho de 2013

céusol

o céu pro navio
o navio pro céu

o sol pro céu
o céu pro sol

o sol pro navio
o navio pro sol

o navio ao sol no céu
o céu ao sol pro navio

pro céu o sol sai
pro navio o céu
e assim ao vento a jangada vai





domingo, 21 de julho de 2013

Maquiagem

arrumei umas tintas pra colorir a minha cara lavada
e ela foi então riscada
com alguns chuviscos

minha cara limpa era um papel
mas remelei de rímel nos cílios
depois o pó veio cobrindo-a toda num tom pastel

daí de repente
como quem usa um solvente
me colori de lágrimas
que desceram grossas pelo rosto
em meio a tinta preta deles

molharam os cílios
que escorreram
num degradê que tingiu a minha cara de preto
e nublou o tempo bem debaixo dos meus olhos

minha cara ficou borrada
quando passei a mão pra limpar a lágrima
feito pincel

manchada
desmanchada

e a borracha que apaga, cadê?






segunda-feira, 8 de julho de 2013

cachorro

sou um cachorro
sou um cachorro que nunca olha pra trás

seis minutos depois, sou um cachorro que mente
o que significa, inclusive, que posso não ser um cachorro

mas tenho fome e ossos me atraem
sou valente quando os grandes me enfrentam

sou um cachorro que ouve post-rock
gosto de rolar na grama e no Sol
faço xixi no poste

eu confio em todo mundo
sou fluente em onírico-cachorrês
eu sou um vagabundo
sou cachorro no horóscopo chinês

sou um  cachorro
que acha que é um vira-lata
mas olhando de fora do meu mundo canino
diria que sou um vira-lata mesmo

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Culinárias

pra gostar:
sessenta segundos
e dois pares de olhos bem fechados

pra gastar:
tempo é dinheiro
e uma mão aberta

pra degustar:
é "dois palito"
e um paladar aguçado

pra desgastar:
ela não pára de falar
e tem que ter estômago

pra desgostar:
"e lá se foi uma vida inteira"...



segunda-feira, 20 de maio de 2013

Juca

eu que fui jovem
achei que poderia querer tudo

achei que o Sol não me faria enrugar
achei que o tempo era infinito
que o amor era bonito
e a saudade era um lugar

achei que empregos não eram importantes
e encontrei dez reais jogados na rua, que me fizeram feliz

molhei meus sapatos e os meus pés na lama
e pensei que um cumprimento legal era dizer a toda gente:
"aperte o seu nariz"

eu quem fui, jovem
comia açúcar mascavo e também açúcar torrão de monte

já quis vender camiseta na praça
e também brinco de hippie na fonte

hoje quero ser dançarina
e amanhã já não importa mais

engarrafava pinga e datilografava
que dormi assistindo ao concerto orquestrado dos poemas de Vinícius de Moraes

e amanhã quem sabe o Laos
ou um país desses, que a minha cabeça pequena julgue ser estranho

e fui jovem
quando fui a muitos lugares
e me esbaldava numa dessas gargalhadas sem tamanho
quando eu neles ria

que fui Platônica
e que me iludi várias vezes
dando o coração aos cantores do Youtube
e editores da Wikipédia

achei que o amor era eterno
que a vida era uma comédia,
e acabei por espatifar a cara no chão.

Que delicioso tombo!










segunda-feira, 6 de maio de 2013

o pôr do sol na mesa


O menino que leva o Sol de bicicleta


E essa noite eu tive um sonho, como em todas as outras
estava numa ferrovia conhecida, em algum ugar bonito e muito misterioso
havia um sentimento estranho, que sempre me acomete naquele lugar
de que havia um assassino por perto, algum louco, perigoso.

eu gosto dos loucos, mas não daquele sentimento de ter que fugir deles.

em algum momento mirei o longe, e vi montanhas cheias de neve no topo.
era uma cena bonita, como se fosse um enquadramento de fotografia.
de repente as montanhas se transformaram em tênis All Star gigantes, do mesmo tamanho das montanhas.

Eram discos voadores!


domingo, 5 de maio de 2013

Rooms

I have to rent a room
where I can leave it all
I need to leave them
these feelings I can't feel now

These feelings that came to me without asking
what should I do with it?
Did they come for a visit?

I need a room
where I can keep them
because I cannot have them now

I will rescue them from the room
one day,
And I would like the one day to be now
I know it won't, because the "one days" are cruel

And they will invade the entire house
how glad I would be to leave them free to do so
but I have to keep them locked
I would have to put a warning in their room telling myself to keep the distance

But they will have to invade the house
they said and they will
at least they would have to do so, if they wanted to leave the house one day


I want that room
so they can be nearby


And if the devil came tonight
and if he took it all for a finger?
Would you give him a finger for that?