quinta-feira, 15 de maio de 2014

ressaca

Ressaca

a relação da ressaca com os entorpecentes é tal
que antes alguma coisa que parecia e era, ou era, ou apenas parecia boa
estremece no final

 a ressaca do corpo
que abusa do álcool
é o engodo da cabeça para o mau-humor

a ressaca do mar é assim também
e depois de tantos dias chovendo
o mar termina bravo

a ressaca do coração
é daquele que ama demais
e que logo se irrita, fazendo-se desilusão

a ressaca
é um efeito malévolo de que se sofre
quando se ama, se bebe e se chove

a felicidade é ainda possível nesse estado
porque de ressaca a gente se dói
mas de ressaca a gente não morre

e que coisa é essa que me incomoda
um calafrio no peito de imaginar toda tarde de céu
em que o mar transborda.

engula!

mascara o cheiro de suor
enxaguante bucal deixa o seu hálito puro
pedra sanitária pra abafar a sua ida ao banheiro
a gente tem chulé
pra isso use desodorante pro pé
tira a cutícula
cabelo na perna é nojento
chega de pelos na virilha
a gente aumenta o tamanho dos cílios com rímel
finge que a nossa pele é uniforme
a gente evita manchas
passa batom pro lábio ficar vermelho
blush pra maçã do rosto ficar maçã
usa anti-rugas porque é feio envelhecer também
põe silicone onde disseram que falta alguma coisa
alisa o cabelo








segunda-feira, 12 de maio de 2014

bêbados do pelÔ

sábado nas imediações do PelÔ
encontrei um bêbado que me pedia o dinheiro pra cachaça
eu com ares de doutÔ
e ele cheio de graça
repúdio ao seu cheiro de humanidade
foi que lhe respondemos

olhei nos olhos do bêbado
que me beijou a mão
mas saiu vagando sozinho pela cidade fria
sem cachaça no estômago e sem dinheiro

eu lhe neguei moeda pra beber
com o argumento de que não tinha
e de que ele torraria o tostão na cachaça
eu com meu suado dinheiro
cujo fim não era pra ser a bebedeira de um bêbado do pelÔ

horas depois limpei aquelas calçadas e escadas
na via pública fiz minha estada
o meu melhor companheiro, o cravinho
que se negava a ficar no meu estômago

onde haviam aquelas poucas pessoas interessantes
as que foram vender sua arte
querendo se esquecer de estar ali

vi o menino black, que cantou com Chico César
entornei seis vezes com o dinheiro que neguei pra quem queria se embebedar
e o meu gesto de humanidade,
qual foi?

sábado encontrei a bebedeira
e hoje encontrei o mar
e tem hora que dá vontade de desistir
mas haja calor pra aguentar viver em Salvador.








Sobre a Copa, linchamentos, PT e outros bodes expiatórios no país da expiação.

Não há como discordar de fatos - não vou entrar na discussão sobre a existência das coisas. Mas fatos estão quase sempre envoltos por algum tipo de discurso, e desse sim podemos e devemos desconfiar. Por exemplo, os problemas apontados por essas matérias estrangeiras de dez páginas - algumas escritas por repórteres oportunistas -, sobre a situação do Brasil na Copa do Mundo, eles são reais, infelizmente, estão acontecendo.

Mas, particularmente, desconfio muito da propaganda anti-Copa que atribui à FIFA, ou ao evento Copa do Mundo, os problemas do país. Da propaganda que reconstrói e se apropria dos fatos endereçando a Copa como grande vilã do Brasil. Não há como discordar que a Copa do Mundo evidenciou e intensificou o cenário de exploração e de repressão (destaco as palavras evidenciou e intensificou e fica sobre seus sentidos a reflexão) Mas essa realidade é conhecida de todos nós. 

Os episódios de Pinheirinho - e tantos outros que sequer tem uma história escrita- estão aí pra nos lembrar que ser expulso de sua casa, no Brasil, é uma questão de conveniência. Seja pra FIFA, seja pra Vale do Rio Doce, Camargo Correa, seja pra prefeitura de São Paulo que "faz a limpa" dos mendigos e usuários de crack no centro da cidade. As pessoas são sim expulsas de suas casas no Brasil. O que dizer dos indígenas que são manipulados por esse jogo de interesses há séculos? A Copa evidencia o cenário brutal de repressão social que existe nesse país, mas esse cenário só se materializa, só é possível porque aceitamos isso desde sempre. O Brasil é um tererno fértil para a perpetuação da exploração e das desigualdes. A causa disso é que tem de ser identificada e combatida.

De alguma forma, parece que para nós, brasileiros, é reconfortante e é mais fácil poder jogar a culpa na Copa. É reconfortante ter um bode expiatório.  Mas também é uma útil estratégia de manipulação, uma vez que, na câmara, os políticos se aproveitam desse nosso rompante anti-copa para aprovar, ou não, leis importantes sem a menor pressão ou fiscalização social - vide a recente discussão do PNE na câmara dos deputados.

A Copa do Mundo está deflagrando, internacionalmente, inclusive, situações com as quais somos obrigados a conviver. Mas essas situações não tem sua raiz na Copa do Mundo e vão continuar acontecendo depois dela porque vamos continuar correndo atrás de bodes expiatórios. Como estamos fazendo com o caso da Fabiane de Jesus, espancada e apedrejada recentemente por justiceiros. De quem é a culpa desse apedrejamento? A culpa é da jornalista Raquel Sheherazade, que defendeu, em outro contexto, também recentemente, que a população faça justiça com as próprias mãos. Nada mais fácil que culpar uma, e uma só pessoa, por uma situação em que mais de 20 seres humanos espancam até a morte - até a morte - outro ser humano, sem que nenhum deles tenha se dado conta do que estava fazendo (?). (Ou pior, tenha feito de maneira consciente) Quem se recorda do juiz de futebol que foi morto e esquartejado no Maranhão, ano passado, por colegas de time, depois de uma briga de jogo?

Culpar a Raquel Sheherazade nos liberta da discussão e da reforma profunda que precisamos fazer sobre o valor do ser humano na sociedade brasileira, ou mesmo, sobre o poder de decisão do cidadão, vítima de um sistema de comunicação que manipula totalmente sua mente, se for. Estamos admitindo o fracasso do projeto do ser humano.

O que me faz lembrar ainda do fim dos protestos de junho|julho, em que o saldo, para muitas pessoas, foi de que a "Dilma Roussef" e o PT são os responsáveis por todos os problemas do Brasil, são os únicos corruptos, e ainda para muitos, e muitas vezes os mesmos, defendendo a volta da ditadura, a "marcha da família com a galera".

Você leu 1984 quando era criança e, naquela época, teve a impressão de que, felizmente, a coisa ainda está um pouco longe daquele cenário de alienação absurdo descrito no livro, quando, na verdade, essa reconstrução dos fatos sobre a Copa, por exemplo, ou o modo como atribuímos culpas a bodes expiatórios são um processo de alienação semelhante, que mascara a realidade e sustenta o estabelecimento do mesmo regime opressor, que identificamos agora na FIFA, na Raquel Sheherazade, na presidente Dilma e no PT.

Dizer que a culpa não é da Copa ou da FIFA; não é culpa da Raquel Sheherazade; não é culpa da Dilma ou do PT,  não é o mesmo que eximi-los de suas responsabilidades. Admiti-los como únicos culpados, esquecer de procurar outras causas, é o mesmo que admitir que só não compensa colocar fogo no Brasil porque vai contribuir muito com o aumento da taxa de CO2 na atmosfera, mas é o total fracasso do povo brasileiro, do cidadão brasileiro, da existência de brasileiros pensantes e com potencial de ação. É só que, pessoalmente, acredito que buscando bodes expiatórios vamos continuar assistindo a outros "Pinheirinhos", outros apedrejamentos, outros episódios de corrupção, que serão, em essência, os mesmos de sempre.



quarta-feira, 7 de maio de 2014

de novo

o que procuro em viagens
encontro em pessoas
são olhos todos
as pessoas são viagens neles
e com olhos tortos somos
todos apenas olhares


http://www.hypeness.com.br/2014/05/conheca-o-fotografo-que-capta-olhares-como-ninguem/

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Beijinho no “campo de força”




desejo a todos Darth Sith vida longa 
há muito tempo numa galáxia muito distante
bateu de frente é só os sabre de luz na chonga
aqui jedi fake não se cria com o mestre Yoda
acredito nos Ewoks os bichinhos tão peludo
Chew tá berrando peraí que eu não escuto
da Estrela da Morte quase não dá pra te ver
é o Palpatine tá querendo aparecer
Luke eu sou seu pai, e já tô pronto pro combate
keep calm e deixa de recalque
o meu sensor de midichlorians explodiu
pega a sua força e vai pra... Tatooine
beijinho no campo de força pro Darth Vader passar longe
beijinho no campo de força só pros Jabba, the Hut de plantão
beijinho no campo de força  só quem fecha com o Kenobi
beijinho no campo de força  só quem tem a força então
Padmesca Amidalazuda
Uma homenagem minha ao Dia de Star Wars
(especialmente pra os fãs recalcados, Charles L'Astorina )