quarta-feira, 24 de julho de 2013

peixe

eu sou um peixe
mas não vivo em aquário

o que me sobrou foi um balão
com um pouco de água e ar
e uma cordinha solta que desafia a gravidade da situação

já me espalhei por aí
em todo lugar
em outros balões
em um saco plástico
mas hoje é esse o meu mundo sintético claustrofóbico

não tem espaço
onde bater barbatanas
tampouco pra nadar

então eu nada

mas os aquários também são assim
com a desvantagem de serem de vidro
já meu balão é inflável
e através dele vejo um mundo colorido
não que isso faça da situação contornável

quero sair daqui

já estive com outros peixes
e sei como é
hoje esse é meu mundo sustentável solitário

os outros peixes riem-se de mim
dizem que sou louco
que não vejo o mundo como ele é
que tudo na minha cabeça não passa de uma grande enganação

esses peixes riem-se de mim em seus aquários de última geração
riem-se porque acham que um aquário é tudo na vida
riem-se porque acreditam ter a verdade em suas pequenas memórias-de-peixe

e que me importam vocês, peixes?

o que eu quero mesmo saber
é se existem peixes além dessa vida de aquário que vocês levam

será que ocupam outros peixes, os vales aquíferos desses mundos?
sei que fora d'água 
não vivem peixes

água salgada 
sei que tem
mas seria ela habitada?

o meu mundo instável cor vermelho-chamas
está prestes a explodir
sem água no ar, eu me afogo

no dia em que se for pelos ares
eu me vou também
sem ele



Intempestades

intempéries e tempestades intempestivas
temperam uma vida impetuosa



segunda-feira, 22 de julho de 2013

céusol

o céu pro navio
o navio pro céu

o sol pro céu
o céu pro sol

o sol pro navio
o navio pro sol

o navio ao sol no céu
o céu ao sol pro navio

pro céu o sol sai
pro navio o céu
e assim ao vento a jangada vai





domingo, 21 de julho de 2013

Maquiagem

arrumei umas tintas pra colorir a minha cara lavada
e ela foi então riscada
com alguns chuviscos

minha cara limpa era um papel
mas remelei de rímel nos cílios
depois o pó veio cobrindo-a toda num tom pastel

daí de repente
como quem usa um solvente
me colori de lágrimas
que desceram grossas pelo rosto
em meio a tinta preta deles

molharam os cílios
que escorreram
num degradê que tingiu a minha cara de preto
e nublou o tempo bem debaixo dos meus olhos

minha cara ficou borrada
quando passei a mão pra limpar a lágrima
feito pincel

manchada
desmanchada

e a borracha que apaga, cadê?






segunda-feira, 8 de julho de 2013

cachorro

sou um cachorro
sou um cachorro que nunca olha pra trás

seis minutos depois, sou um cachorro que mente
o que significa, inclusive, que posso não ser um cachorro

mas tenho fome e ossos me atraem
sou valente quando os grandes me enfrentam

sou um cachorro que ouve post-rock
gosto de rolar na grama e no Sol
faço xixi no poste

eu confio em todo mundo
sou fluente em onírico-cachorrês
eu sou um vagabundo
sou cachorro no horóscopo chinês

sou um  cachorro
que acha que é um vira-lata
mas olhando de fora do meu mundo canino
diria que sou um vira-lata mesmo