quarta-feira, 16 de setembro de 2015

WhatsAppocalipse Zumbi

O WhatsAppocalipse zumbi tem volta ?

As pessoas à minha volta tem uma "extensão" em um de seus braços que só desacopla por completo na hora do banho. Algumas continuam usando ela pra dançar embaixo d'água. Elas acordam quando a extensão manda. Fazem as refeições com a extensão do lado, embora a extensão não precise se alimentar do mesmo tipo de comida que a gente. É a extensão quem diz para as pessoas aonde ir e que caminhos tomar pra chegar lá. As pessoas transferem suas memórias e a memória da raça humana para a extensão, e ela nos diz como, quando e por que nos lembrar. A extensão armazena até mesmo nossas memórias de amigos e parentes. E quando a gente se reúne com eles, nos restaurantes, nos almoços de família, estranhamente eles não estão presentes.

O que a extensão faz com gente como eu, que não tem uma extensão ? Nos ignora. E seus usuários demonstram esse comportamento pra nós. Eles riem quando a gente diz que não tem uma extensão. Eles não acreditam que a gente pode chegar em qualquer lugar, ou mesmo ser feliz sem as várias utilidades da extensão. Eu não vejo mais os olhos das pessoas, que estão quase sempre voltados para a tela. Nos raros momentos em que trocamos olhares, sinto que não olham pra mim. Isso é ser ignorado.
As pessoas ficam ali sorrindo pra uma tela, mas não pra mim. E quando rimos juntos, é por algo que a extensão nos mostra. Quase não rimos mais de nós mesmos. E quando estamos ali, num momento particular, um momento legal, não podemos deixar a extensão de fora. Compartilhamos esses momentos para que ela registre a nossa felicidade.

As pessoas não respondem nossas perguntas, elas fazem um ou outro comentário sem sentido pra fazer de conta que estão com a gente. Balbuciam um sim. Um não. Elas acham que a gente não percebe. Elas acham que nos enganam, e se acham muito espertas por conseguirem estar em dois mundos ao mesmo tempo. Mas elas não estão.

A gente acha que a extensão é só uma "coisa" social e que a gente manda nela. A gente acha que pode parar a qualquer momento. Eu tenho sentido que a extensão tem vida própria. Estamos sendo abduzidos por essas forças alienígenas. Por que, afinal, onde é que essa forma de vida está ? Acho que daqui vamos para a vida em realidade virtual. Há alguns anos, a gente tinha medo de que os robôs inteligentes dominassem a Terra e subjugassem a raça humana. Por fim, talvez, não precisamos de robôs pra sermos subjugados.

Eu sei sobre a extensão porque já estive lá. Naquele mundo em que as pessoas habitam. Naquele mundo em que somos subjugados. Não sei como consegui sair. Até quando vai durar, ou até quando vou durar fora dele, se é que estou, não sei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário